Servios-De-Cartrios-Ganham-Espao-Em-Franquias

From Clash of Crypto Currencies
Jump to: navigation, search

Oito Tendências De Marketing Revolucionárias Pra Encarar Em 2018


Como Abrir Uma Franquia Carrinho Chopp Brahma

Quem nunca achou que comércio eletrônico seria uma tarefa fácil atire a primeira pedra. Na teoria é tudo muito atraente: basta adquirir um domínio, ter uma plataforma e pronto, começar a vender. Em conclusão, tudo se resume a valor miúdo e frete sem qualquer custo, não? Para se ter uma ideia, uma loja virtual deve prestar atenção em no mínimo 28 áreas para alcançar operar minimamente, incluindo o marketing digital. Quer dizer, a brincadeira começa a alterar um pouco de figura.



Quem escolhe se especializar no mundo do comércio online precisa notar o seu local já que, como vimos acima, as variáveis são algumas. Quem não entende o mercado e as necessidades dos lojistas corre o sério traço de engrossar as estatísticas de mortalidade de organizações. Desse modo, por que não perceber um tanto deste universo a fim de contextualizar o nosso papo?



Ao oposto do varejo tradicional, o ecommerce tem crescido anualmente - mesmo que em taxas menores do que o esperado, algumas vezes - a despeito das crises econômica e política no Brasil. 21 bilhões no primeiro semestre de 2017 - alta de 7,5% em ligação ao ano passado. E olha que não estamos incluindo o setor de entretenimento (especialmente, ingressos) nessa conta. Uma quota das lojas, mas, não chega sequer a ter um site respectivo. Pouco tempo atrás, com o fortalecimento de marketplaces (a grosso modo, grandes shopping centers da internet) como Mercado Livre, B2W e Magazine Luiza, muita gente passou a redirecionar sua audiência para esses canais, que permitem contato restrito com os clientes.


Como Abrir Uma Franquia Cacau Show


[INFOGRÁFICO O Plano De Marketing Digital Para Implementar Tua Estratégia De Sucesso]

Em resumo: cada vez mais, as mídias sociais e o mundo online se tornam importantes para os varejistas terem bons resultados no fim do mês. De acordo com a procura “Retail e-commerce in Brazil”, conduzida na consultoria Forrester em parceria com a loja virtual Brasil, lojistas brasileiros acreditam que as mídias sociais estão entre as 3 principais referências de aquisição de novos consumidores.





Negócios puramente digitais veem mais sucesso em obter consumidores nas mídias sociais, e os que possuem loja física, em anúncios offline. Por outro lado, o internauta tem ficado cada vez menos disposto a visualizar propagandas no tempo em que navega - e sejamos bem sinceros: o mundo inteiro neste momento instalou, pelo menos uma vez na existência, um adblocker no browser. Ainda assim, de acordo com a Euromonitor, os latinos têm menos observações em relação a propagandas personalizadas do que pessoas de novas regiões, que tendem a encontrar essa prática muito invasiva.



Este é só um dos serviços com enorme potencial de progresso para agências e fornecedores de e-commerce. Em vista disso cresce a loja online, cresce a maturidade do comprador, do lojista e também a oferta de serviços. Quais outros precisam ser apresentados aos empreendedores mais maduros e preparados pra receber escala? Vários, inclusive, acabam se resultando mais “incrédulos” quando se deparam com soluções “milagrosas” que garantem acrescentar consideravelmente as taxas de conversão e as vendas da loja.



Apesar de tudo, se um e-commerce está deixando de lucrar como deveria, com certeza está cometendo um erro no planejamento, na gestão ou em cada outra área. Pros lojistas, no fundo, “aumentar a taxa de conversão” não é tão mais primordial quanto arrumar os “gaps” de estoque ou equívocos na precificação, tais como.



E, acredite, o tempo de um empreendedor de e-commerce é precioso, e são poucos com “fôlego” suficiente pra monitorar os erros e acertos da operação. Não é à toa que os posts mais lidos do portal E-Commerce Brasil são de varejistas que relatam o quão penoso é a tarefa de conciliar as propostas tentadoras de fornecedores com a realidade de um e-commerce. Ou mesmo de ver de perto o desempenho e a performance das soluções de marketing que agora estão integradas à tua loja. Um dos postagens mais consideráveis que lemos recentemente sobre é de um varejista de comércio eletrônico bastante crítico quanto à canibalização do setor.



Analogias à cota, se, por um lado, vivemos a era da saturação do mercado de fornecedores de e-commerce, por outro, seus serviços são charada de sobrevivência dependendo do segmento e do perfil da loja virtual. No último Fórum E-Commerce Brasil, tivemos uma discussão bastante produtiva a respeito de “a internalização do marketing” versus a tua terceirização.



A principal conclusão do painel foi: é preciso pesar na balança fatores como necessidade de ganhar velocidade operacional, valor de implementação, característica dos resultados, além de outros mais, antes de tomar a decisão de internalizar o marketing digital ou contratar um parceiro. Uma das painelistas, Paula Puppi, CEO da Blinks (agência com assunto em mídia e performance), diz que se a organização pesquisa velocidade de vendas e resultados de curto período, raramente uma agência vai conseguir responder à tempo. Por outro lado, é memorável que elas, por estarem inseridas no mercado digital, consigam ter acesso às outras ferramentas com mais facilidade. Na posição da especialista, quando pensamos em velocidade de inovação, o parceiro acaba sendo uma sensacional opção.